quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

A Ladra.




Ela vinha sorrateira, assim como quem nunca quer nada. Com sorriso divinamente cativante, contava histórias e, se necessário, até mesmo lacrimejava para dar credibilidade ao que dizia. Tinha, em sua essência, o charme que seduz e ilude. O charme que ilude e mata.

E era sem pressa alguma que ela se aproximava de suas vítimas tão cuidadosamente escolhidas. Falava-lhes ao pé do ouvido, acariciava-lhes a nuca, entorpecia-lhes os sentidos, mas sempre com um semblante de anjo no rosto. Envolvida nessa atmosfera angelical, a vítima não via por que não se deixar entregar a seus beijos e abraços, ao amor que dela exalava como perfume natural. Cega, a vítima praticamente não tinha o coração roubado; ela própria o entregava nas mãos daquele suposto anjo..

Em pouco tempo, a ladra saciava as suas vontades e a carência de ser amada e desejada, cansava-se do coração roubado e tinha sede de usar seu charme para novas aventuras. Todavia, por mais que não mais o quisesse, não dava liberdade ao coração roubado e agora abandonado. Deixava-o definhar em um canto até que este perdesse completamente a vida e depois se desfazia dele como carne putrefada. Todavia, ao se desfazer de um deles, enterrando-o, viu que ali surgiu uma pequena flor.

Com o passar dos dias, a ladra mirava pela janela e via que a flor ganhava mais beleza e vida, num afronte direto ao seu poder de destruição. Movida pela cólera, destruiu a flor com suas próprias mãos, sentindo as pétalas fenecerem entre seus dedos. Seus olhos brilhavam como nunca dantes. Destruíra duas vezes um mesmo coração e isso a revigorava.

Todavia, como Fênix, a flor insistiu em florescer novamente, insultando o poder de destruição daquele demônio com semblante de anjo.

By Anne Addison



4 comentários:

  1. Ary, dizer que me agrada sua forma de escrever é limitar muito o que você tem se tornado em tão pouco tempo! Se quando eu te encontrei tudo era iluminado, hoje é transcendental o brilho que você emite... nas suas maneiras, olhares, sorrisos!

    Quero compartilhar algo, que creio nao ter compartilhado com ninguém antes, então, é um segredo que aprendi com as coisas que observo, as pessoas, os gestos... Quando estamos num relacionamento, sempre achamos que alguém ama mais... e sempre tendemos a pensar em quem se dá mais na relação - sinceramente, fielmente... Mas algo que aprendi é: quando dizemos o mundo de uma pessoa, quando a tornamos o nosso centro e lhe damos um valor surreal, quando brilhamos por ela, achando que ela nos altera tudo ao redor, é quando se descobre mais sobre si mesmo...

    Você deve se lembrar das inúmeras vezes que disse que você brilhava sempre e mais ainda com "um novo amor"... Mas não, não era por causa de outra pessoa... É por si mesma que brilhava - sempre! Porque em você sempre havia um desejo esondido de amar, e eu li isso nos seus olhos quando te conheci... Soube o quão bela é! Todos podemos amar sem medo... E tudo o que você sentiu e foi quando amando, é produto do que você já era... Portanto, entende a totalidade de sua beleza? =)

    Amores podem se ir, mas amigos não... E eu estou na sua vida para ficar! hihih

    Luv ya!!!

    ResponderExcluir
  2. O texto é tao bem conduzido, que a principio ate eu tive vontade me "entregar" para a ladra. rs
    Adorei!!BjOo

    ResponderExcluir
  3. Isso é o que eu chamo de sedutor.

    ResponderExcluir